destaque


Confusão e frustração. Assim os fãs das bandas Forfun e Ponto de Equilíbrio, que tocariam em Manaus neste fim de semana, definiram o que sentiram com o cancelamento do show. A apresentação, que a princípio estava marcada para a noite de sábado (4), teve local remarcado três vezes, data alterada e acabou não acontecendo.

De acordo com fãs, o show foi anunciado para acontecer no Centro de Treinamento do Nacional Futebol Clube, no bairro Morada do Sol, na Zona Centro-Sul de Manaus, remarcado para uma casa de shows Porteira Country, no Tarumã, na Zona Oeste, e por fim remarcado de novo, desta vez para as 13h deste domingo (5), em um bar no bairro Santo Antônio, ainda na Zona Oeste. 

Ainda segundo fãs, foram postos à venda ingressos com preços que variavam de R$ 25 a R$ 90, sendo que o mais caro dava direito a uma área VIP. A estudante Ingrid Guedes adquiriu dois ingressos para a área VIP e às 16h deste domingo, três horas após o horário marcado para o show, ainda esperava pelas bandas. "Eles não dão nenhuma satisfação pra gente, primeiro remarcaram o show duas vezes, e agora as bandas não estão aqui e a gente não sabe o que fazer", disse.

De acordo com o diretor executivo da produtora RA Eventos, Alvino Júnior, a apresentação não aconteceu porque o dono da casa de shows onde o evento aconteceria não teria cumprido o contrato. "Os camarins não estavam preparados para as bandas e o contrato não foi cumprido", declarou.

Em resposta, o dono do Porteira Coutry afirmou que o descumprimento do contrato foi da RA Eventos, que não teria efetuado os devidos pagamentos antes da apresentação. "Não recebi os pagamentos que foram firmados em contrato, e nem outros pagamentos obrigatórios, como o Ecad, foram feitos", rebateu o empresário, falando do órgão que cuida dos direitos autorais dos artistas.

Por volta das 17h, cerca de 100 pessoas foram até o 8º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na Zona Oeste, prestar um Boletim de Ocorrência (BO) para que o ressarcimento financeiro seja feito. 

De acordo com a Polícia Civil (PC), os fãs que se sentirem lesados devem entrar com uma ação no Juizado Especial Cível para conseguir reaver o dinheiro pago pelo ingresso. "Como se trata de um descumprimento contratual, envolve uma questão cível e de direito do consumidor, logo, nesse caso, a atuação da delegacia é apenas fazer um BO não criminal, pois esta situação é um fato atípico e nós estamos orientando que os consumidores que foram lesados procurem o Juizado Especial Cível para que seja realizada uma ação de danos materiais e morais contra a empresa, e assim serem ressarcidos com o dinheiro do show e pelos danos morais", disse o investigador José Luiz.

Ainda de acordo com ele, mesmo as pessoas que entraram no bar têm direito a reembolso. "Todos que pagaram e não usufruíram do serviço vão ter direito ao ressarcimento", frisou.
O diretor da RA Eventos, Alvino Júnior, disse que o ressarcimento será efetuado, mas não definiu uma data. "Não vou fugir da responsabilidade, as pessoas serão reembolsadas", declarou.
Em nota, as bandas lamentaram o ocorrido, alegando que o cancelamento aconteceu por 'motivos que se encontram além das responsabilidades das bandas'. 

Confira na íntegra a nota divulgada pelas bandas:
“Viemos por meio deste comunicar que o show de Manaus, que se realizaria no estádio do Nacional, no dia 4 de Agosto, foi cancelado por motivos que se encontram além do nosso campo de responsabilidades. Após muitas tentativas frustradas, a produção local não conseguiu viabilizar um espaço para a realização do evento, mesmo com os artistas contratados há dois meses e presentes na cidade. A RA Eventos, representada pelo sócio Alvino Júnior, estará prestando esclarecimentos referentes à devolução do dinheiro dos ingressos através de seus telefones. Lamentamos pela decepção dos fãs e pelos trabalhadores que dependem desses eventos para sustentar suas famílias”.

Fonte: 180graus.com

Deixe seu comentário

 
 
Pedidos Histórico